quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Combinação dos factores de produção

1. Completa a tabela e interpreta a linha correspondente a Q=4.
R: Q=4-O custo fixo,é 55, o custo variável é de 105, o custo total é de 160, o custo marginal é de 30, o custo fixo médio é de 13,754, o custo variáveis médios é de 26,25 custo totais médio é de 40.

2. Representa graficamente CT=CF+CV. Justifica a configuração das curvas.

R: As configurações das curvas está a mostrar que quando o custo variável aumenta, o custo total também aumenta porque, como o custo fico é sempre constante, sempre que o custo variável, aumenta o custo total. A produtividade é medida por hora
3. Representa graficamente a relação entre o Custo Marginal e os Custos Médios (CFM, CVM e CTM). Justifica a configuração das curvas. 

R: As configurações das curvas mostram que, como o CFM vai diminuindo, porque é o custo fixo(que mantêm-se sempre igual)/ a quantidade, então diminui sempre, o CTM também foi diminuindo por causa do CFM que, como vai diminuindo, o CTM também diminui.
4. Indica a combinação óptima de factores correspondente aos salários de 5 ao custo da capital de 5,5 na tabela que ficou incompleta na segunda imagem deste post
R:
5. Relaciona as economias de escala com a concentração que se verifica em muitos ramos da actividade económica: banca, automóvel, distribuição de combustíveis, distribuição a retalho, etc.
R: As empresas onde há uma grande concentração da população, são as empresas que têm uma economia de escala, porque assim o custo unitário diminui e a produção aumenta.
6. “Se as escolas forem muito grandes, as pessoas deixam de conhecer-se e o anonimato contribui para o aumento da indisciplina”.
6.1. Comenta utilizando o conceito apropriado.
R: Deseconomia
6.2. Refere outros factores, como (a) a lotação das salas, (b) a dificuldade em conseguir melhores horários, (c) o distanciamento da direcção relativamente a alunos, professores e pais.
R: Com os excessos de alunos, as salas de aula ficam lotadas com alunos, o que torna as aulas mais difíceis de dar e dificulta também as aprendizagens dos alunos o que faz com que, na maioria, as notas finais diminuam. Com a lotação dos alunos, a distribuição dos horários também se complicam, porque com tantos alunos, fazer a interligação das aulas. Com tantos alunos, a direcção fica com mais dificuldade para atender os encarregados de educação, por serem muitos.
6.3. Aponta alguns factores que possam justificar as deseconomias de escala nas empresas.
R: O custo unitário é mais elevado proporcionalmente do que a produção.

II


terça-feira, 21 de novembro de 2017

O conceito de Produtividade

1. O conceito de Produtividade apresenta duas variantes: Produtividade do Trabalho e Produtividade Total dos Factores. Distingue-as.
R: A Produtividade Total é a relação entre o valor total da produção e o valor total de recursos utilizados para a obter e a Produtividade do trabalho é a relação entre o resultado útil dum processo produtivo e a utilização dos factores de produção, ou seja, a quantidade de produto por unidade de factor produtivo.
2. Comenta o valor da Produtividade do Trabalho na economia portuguesa comparativamente aos restantes países da União Europeia. 
Sugestão: Compara (a) Portugal vs. Países Fundadores da UE e (b) Portugal vs. Países que entraram na UE após 2004. (Que países são?
R: a) O valor de produção por pessoa empregue, em Portugal é inferior em comparação aos Países fundadores da União Europeia, o que faz com que produtividade também seja baixa e como nos Países fundadores, eles têm uma maior produção por pessoa, é lógico que terão uma maior produtividade.
b) Em relação aos países que entraram em 2004, Portugal teve sempre uma maior produtividade por pessoa, o que levou a terem uma maior produtividade.
3. Como podemos melhorar a produtividade?
R: Produtividade(P)=Produção(Y)/Trabalho(L)
A Produtividade aumenta, quando há +P, ou quando há -L ou em quando existe ambos os casos
4. Que factores determinam a produtividade?
R: Melhoraria da qualidade dos recursos humanos, a actualização cientifica e técnica, as condições do trabalho, a justeza das remunerações bem como da qualidade do capital, através da utilização das máquinas mais adequadas, de novas tecnologias das convenientes matérias primas, da necessária manutenção de todo o material, etc.
5. Compara a produtividade em Portugal com a dos 5 países onde é mais elevada e com a dos 5 onde é menor. (Utiliza o link do ponto seguinte.)
R: O valor do trabalho de Portugal é de 68,9€, já nos países que são mais elevados que Portugal(Luxemburgo, Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Irlanda) têm um maior valor por hora do que o de Portugal, já os países em que a produtividade é menor( Bulgária, Letónia, Lituânia, Roménia, Polónia) tem um valor por hora menor que o de Portugal.
6. Constrói no Excel um gráfico ilustrando a Produtividade em Portugal relativamente à União Europeia a partir da Produtividade laboral por hora de trabalho (PPS, UE28=100)Comenta.
SUGESTÃO: Além da média da UE, selecciona ainda dois países contrastantes, ie. um de elevada, outro de reduzida produtividade. 

7. Explicita a relação que se deve observar entre o salário e a produtividade marginal, quando um empresário decide contratar mais um trabalhador.

R: O empresário, quando contrata mais um trabalhador, espera ter mais produtividade, mas vai ter de pagar mais um salário, por isso, o trabalhador tem de compensar o salário que ele recebe.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Lei dos Rendimentos Decrescentes

1. Explica os seguintes conceitos:
- combinação dos factores produtivos- O uso dos capital, do trabalho e da tecnologia.
- função de produção- Exprime a relação técnica existente entre a produção e os factores produtivos , trabalho e capital, utilizados no processo produtivo 
- factores de produção-Depende das características dos próprios factores de produção que são:-Adaptabilidade
-Complementaridade
-Substituibilidade

- complementaridade dos factores-Os factores de produção dizem-se complementares na medida em que só a presença(e combinação) do trabalho com o capital permite realizar a produção
- substituibilidade dos factores-Os factores de produção podem, dentro de certos limites, substituírem-se uns pelos outros dando origem a diferentes combinações produtivas.

2. Distingue o curto prazo do longo prazo tendo em vista a produção.
R: O curto prazo é período de tempo no qual os factores produtivos variáveis, tais como o trabalho e as matérias primas, podem ser facilmente ajustados.
O logo prazo é o período em que todos os factores produtivos, fixos e variáveis, podem ser adaptados incluindo trabalho e capital.
3. Enuncia a lei dos rendimentos decrescentes.
R: A partir de um determinado nível de produção, mantendo fixa a quantidade de um dos factores produtivos, ir-se-ão verificar acréscimos de produção resultantes da utilização de unidades sucessivas do outro factor produtivo(produtividade marginal) cada vez menores.
4. Define:
- Produto Marginal/Produtividade Marginal
- Produto Médio/Produtividade Média
R: Produto marginal:produto adicional gerado por 1 unidade adicional desse factor, mantendo os restantes factores constantes, isto é, calcula, o aumento de produção decorrente de um investimento unitário.
Exemplo: Uma empresa com 10 trabalhadores produz 600 camisas. Com um novo trabalhador e com as mesmas máquinas passa a produzir 605. A produtividade marginal será igual a:
605 – 600 (variação no output) = 5
11 – 10 (variação no input) = 1
5 / 1 = 5
Produto Médio: produção total dividida pela totalidade de unidades do factor de produção
5. Preenche a tabela que se encontra aqui, e constrói um gráfico que ilustre a relação entre a Produção Total, o Produto Marginal e o Produto Médio. Publica imagens da tabela e do gráfico.

6. Observando a tabela construída no ponto anterior.
a) Interpreta a linha correspondente ao trabalho = 3;
b) "Quando o produto marginal é decrescente, o produto médio também decresce". Justifica
c) Identifica a coluna que expressa a lei dos rendimentos decrescentes.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Capital

1. Apresenta um conceito de “riqueza”.
R: Riqueza é a porção de dinheiro que uma pessoa tem. e que não se multiplica, não é investida.
2. Distingue os novos-ricos dos novos pobres, relacionando-os com os conceitos de mobilidade social e desigualdade na repartição do rendimento. 
R: Novos-ricos, são as pessoas que enriquecem muito rapidamente nos anos de 1990/2000 com as bolhas das dot.pt.
3. Indica as actividades desenvolvidas pelos portugueses mais ricos em 2012, e compara-a com a lista de 2017Indica as alterações nas primeiras 5 posições deste ranking.
R:
1 – Família Amorim – 3.840 milhões de euros- GALP, Corticeira Amorim, Banca, Agricultura.
2 – Alexandre Soares dos Santos – 2.532 milhões de euros-Jeronimo Martins, Pingo Doce.

3 – Família Guimarães de Mello – 1.471 milhões de euros-Brisa, CUF, Efacec, EDP, Saúde, BCP...
4 – Belmiro de Azevedo – 1.311 milhões de euros- Sonae, Continente/Universo vendido ao BPI
5 – António da Silva Rodrigues – 1.038 milhões de euros- Grupo Simoldes
6 – Família Alves Ribeiro – 952,3 milhões de euros- Consultores, construção, Amoreiras Shopping.
– Fernando Figueiredo dos Santos – 664,6 milhões de euros
8 – Maria Isabel do Santos – 664,6 milhões de euros
9 – Fernando Campos Nunes – 575,3 milhões de euros
10 – Maud e Pedro Queirós Pereira – 569,2 milhões de euros
4. Distingue riqueza de capital.
R: Riqueza é a pessoa que tem muito dinheiro(exemplo: O João tem 1000000€, ele é rico) e capital é alguém que tem muito dinheiro mas que investe o dinheiro para conseguir ter mais.
5. Define os seguintes conceitos de capital: capital financeiro, capital técnico, capital circulante, capital fixo, capital social, capitais próprios, capital alheio, capital natural e capital humano.
R: Capital financeiro:é a soma do que se tem no banco com os valores adquiridos por meio de transacções financeiras como investimentos, compra e venda de acções, investimentos em fundos, imóveis, negócios, e muitos outros.
Capital técnico: conjunto de bens de produção que possibilitam que se produza bens de consumo.
Capital circulante: bens que são utilizados em apenas um processo produtivo; por exemplo, as matérias-primas 
Capitalfixo:aqueles que são passíveis de utilização em mais do que um processo produtivo, que pertencem ao imobilizado das empresas; é o caso da maquinaria utilizada na produção.
Capital social: montante de fundos colocados à disposição de uma empresa pelos seus sócios,  quer seja no início da vida da empresa, quer durante o desenrolar da sua actividade (aumentos de capital por entrada de dinheiro).
Capital Alheio:financiamento assegurado por terceiros, isto é, por pessoas ou entidades externas à empresa. Por isso mesmo, com taxas de remuneração e planos de reembolso associados. Podem ser de curto, médio ou longo prazo.
Capital Próprio: resulta do financiamento assegurado pelos seus proprietários e que, por norma, não tem associada qualquer contrapartida de remuneração. Em suma, o capital próprio não é mais do que o património líquido da empresa. 
Capital Natural: valor dos recursos naturais em relação a um produto ou serviço. A ideia é deixar de considerar tais insumos como ativos gratuitos e passar a fazer uma espécie de valoração dos mesmos, tratando-os como capital, nos mesmos moldes como tratamos recursos económicos.
Capital Humano: conjunto de capacidades, conhecimentos, competências e atributos de personalidade que favorecem a realização de trabalho de modo a produzir valor económico. São os atributos adquiridos por um trabalhador por meio da educação, perícia e experiência.
6. Utilizando as definições do ponto 5. classifica os seguintes itens:
a) poupança pessoal de um empresário que foi mobilizada para a actividade produtiva-Capital financeiro
b) valores financeiros dos proprietários da empresa, afectados à produção-Capitais Próprios
c) um empréstimo bancário que a empresa contraiu-Capital alheio
d) maquinaria, edifícios, matérias-primas e matérias-subsidiárias empregues no processo produtivo-Capital técnico
e) maquinaria, edifícios, etc. que são utilizados em vários ciclos produtivos (durante vários anos)-Capital fixo
f) matérias-primas, que são incorporadas no produto acabado, participando num único ciclo produtivo-Capital circulante
g) montante de recursos financeiros colocados à disposição de uma empresa pelos seus sócios-Capital social
h) recursos naturais-Capital Natural
i) factor produtivo trabalho-Capital Humano

7. Partindo da apresentação popular na Internet Suiça vs Portugal na perspectiva de um portuguêsrefere sobre a importância relativa dos recursos naturais, do capital humano, do enquadramento cultural e normativo e dos valores no desenvolvimento dos países.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Causas e tipos de desemprego

1. Indica as três categorias profissionais com maior volume de desempregados, em 2016:

a) Homens;
Operários, artífices e trabalhadores similares(67,4 mil)
Trabalhadores não qualificados(35,8 mil)

Pessoal dos serviços e vendedores(33,7 mil)
b) Mulheres
Pessoal dos serviços e vendedores(28 mil)
Trabalhadores não qualificados(50,4 mil)
Especialistas das profissões intelectuais e científicas(70,3 mil)
2. Constrói e comenta um gráfico representando a evolução das taxas de desemprego em Portugal, de 1983 até hoje, segundo o género
R:
R:As mulheres têm uma maior taxa de desemprego do que a dos homens, e como a taxa é muito superior, o total fica acima da taxa de desemprego dos Homens, no geral.
O ano em que as mulheres têm uma menor taxa de desemprego foi na Década de 90 e a década em que a taxa de desemprego dos homens foi menor, foi na década de 2000.
3. Relaciona a mudança do perfil de especialização exigido pela economia portuguesa com a globalização das economias.
R: A economia Portuguesa produz produtos muito baratos , o que não faz com que não consigam lucrar com isso, então fazem uma transformação dos produtos mais baratos nos produtos mais caros, mas para isso acontecer, precisa-se de trabalhadores mais qualificados.
4. Explica um dos conceitos de desemprego apresentados acima, referindo porque este deverá preocupar os jovens.
R: O conceito é o desemprego das tecnologias, porque com a invenção das novas tecnologias e dos empregos que ainda não existe, os jovens ainda estão a aprender como podem trabalhar nisso.
5. Calcula e interpreta a taxa de desemprego, utilizando dados referentes ao 3º Trimestre de 2012.
R: 3489,4+4656,3=8145,7= População empregada
Desempregados= 9016,6-8145,7=870,9
870,9/9016,6=0,096*100=9,6

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

A taxa de desemprego de agosto foi de 8,8% - Setembro de 2017

1. Com base na imagem acima, calcula a Taxa de Actividade, indicando as operações.
R:(TA=PA/PT*100) 5194,1/8865,61=0,58587123x100=59%
2. Com base na imagem acima, calcula a Taxa de Desemprego, indicando as operações.
R:(TD=DES/PA*100) 618,8/5194,1=0,119595x100=11,9595%
3. Interpreta a Taxa de Actividade calculada em 1..
R: Em cada 100 pessoas, 58 são população activa.
4. Interpreta a Taxa de Desemprego calculada em 2..
R: Em cada 100 pessoas da população activa, 11 são desempregadas.
5. Utilizando as taxas de desemprego, referentes a Setembro de 2017, no Quadro 2 (p.5) do destaque acima referido, justifica
- o género mais penalizado pelo desemprego;
- o grupo etário mais penalizado pelo desemprego. 
R: O género mais afetado pelo desemprego são as mulheres(9,5%) e o grupo etário mais afetado são os Jovens(26,4%).
6. Constrói um gráfico a partir dos dados no PORDATA, que evidencie as diferenças na Taxa de Actividade entre os géneros (F/M) e entre Portugal e a União Europeia. Publica-o no blogue e interpreta-o. Preview


R:A taxa de atividade é mais elevada em Portugal do que na União europeia tanto nos homens como nas mulheres. porque como Portugal tem um salário mais reduzido do que o da União Europeia, as pessoas nao desistem dos empregos.
7. Constrói um gráfico a partir dos dados no PORDATA, que evidencie que a Taxa de Desemprego afecta de forma diferenciada os diversos grupos etários. Publica-o no blogue e interpreta-o. Preview


R:A População mais afeta pelo desemprego foram as pessoas de <25 anos e até 2013, a população de 55-64 anos foram os segundios mais afteados porque queriam uma população mais jovem com mais qualificação.
8. Constrói um gráfico a partir dos dados no PORDATA, que evidencie que a Taxa de Desemprego afecta de forma diferenciada em função do nível de escolaridade concluída. Publica-o no blogue e interpreta-o. Preview

R: A Taxa de desemprego afetou mais o Superior porque como têm mais qualificação então exigem mais do emprego, e o que foi menos afetado foi o Nenhum porque não tem exigência no emprego por não ter nenhum curso.
9. Constrói a partir da população desempregada por nível de escolaridade completo - Masculino e Feminino um gráfico que evidencie como a Taxa de Desemprego varia com o género (M/F) e com a o nível de escolaridade. Publica-o no blogue e interpreta-o. Preview


R: O ensino básico é o mais afetado e o menos afetado é o Medio.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Recursos Naturais

https://docs.google.com/presentation/d/1oyG2qYlTG-Vm_N3nlYfPMdZxztqeMiMIR2pSumbdRmo/edit?usp=sharing

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Produção e processo produtivo

1. Indica os ramos de actividade apresentados pelas Contas Nacionais portuguesas de acordo com a classificação de Colin Clark.
R:

I:Agricultura, silvicultura, pesca e industrias extrativas.
II:Indústrias alimentares, das bebidas e do tabaco
Indústria têxtil, do vestuário, do couro e dos produtos de couro
Indústria da madeira, pasta, papel e cartão e seus artigos e impressão
Fabricação de coque e de produtos petrolíferos refinados
Fabricação de produtos químicos e de fibras sintéticas e artificiais
Fabricação de produtos farmacêuticos de base e de preparações farmacêuticas
Fabricação de artigos de borracha, de matérias plásticas e de outros produtos minerais não metálicos
Indústrias metalúrgicas de base e fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamentos
Fabricação de equipamentos informáticos, equipamentos para comunicação, produtos electrónicos e ópticos
Fabricação de equipamento eléctrico
Fabricação de máquinas e equipamentos, n.e.
Fabricação de material de transporte
Indústrias transformadoras, n. e.; reparação, manutenção e instalação de máquinas e equipamentos
Produção e distribuição de electricidade, gás, vapor e ar frio
Captação, tratamento e distribuição de água; saneamento, gestão de resíduos e despoluição
Construção
III:Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos
Transportes e armazenagem
Actividades de alojamento e restauração
Actividades de edição, gravação e programação de rádio e televisão
Telecomunicações
Consultoria, actividades relacionadas de programação informática e actividades dos serviços de informação
Actividades financeiras e de seguros
Actividades imobiliárias
Actividades jurídicas, de contabilidade, gestão, arquitectura, engenharia e actividades de ensaios e análises técnicas
Investigação científica e desenvolvimento
Outras actividades de consultoria, científicas e técnicas
Actividades administrativas e dos serviços de apoio
Administração pública e defesa; segurança social obrigatória
Educação
Actividades de saúde humana
Actividades de apoio social
Actividades artísticas, de espectáculos e recreativas
Outras actividades de serviços
Actividades das famílias empregadoras de pessoal doméstico. actividades de produção de bens e serviços pelas famílias para uso próprio
Actividades dos organismos internacionais e outras instituições extra-territoriais

2. Aponta ramos de actividade considerados:
a) indústrias ligeiras;

R:Indústrias alimentares, das bebidas e do tabaco
Indústria têxtil, do vestuário, do couro e dos produtos de couro
b) indústrias pesadas;
R:Indústrias metalúrgicas de base e fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamentos
Fabricação de equipamento eléctrico
Fabricação de máquinas e equipamentos, n.e.
Fabricação de material de transporte
Indústrias transformadoras, n. e.; reparação, manutenção e instalação de máquinas e equipamentos
Produção e distribuição de electricidade, gás, vapor e ar frio
c) indústrias modernas;

R:Fabricação de equipamentos informáticos, equipamentos para comunicação, produtos electrónicos e ópticos
Fabricação de produtos químicos e de fibras sintéticas e artificiais
Fabricação de produtos farmacêuticos de base e de preparações farmacêuticas

Telecomunicações
d) indústrias tradicionais.
R:Indústrias alimentares, das bebidas e do tabaco

Indústria têxtil, do vestuário, do couro e dos produtos de couro
Indústrias metalúrgicas de base e fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamentos
3. Calcula a produtividade dos sectores I, II e III em 1995 e em 2009. Justifica a alteração da estrutura sectorial do emprego ao longo deste período, e refere o cenário mais plausível da sua evolução após 2009.
R:
PRODUTIVIDADE Coluna 1 Coluna2
1995 2009
I 0,47826087 0,2072072
II 0,89719626 0,8262411
III 1,16312057 1,2277228
Como o país foi ficando mias rico, as pessoa já não trabalhavam tanto no Setor I diminui e tem tendência para baixar mais porque se começou a usar máquinas em vez de pessoas porque a tecnologia foi evoluindo, e por isso as pessoas foram para o Setor III, a parte dos serviços.

4. Constrói um gráfico ilustrativo da questão 3. (PREVIEW) e comenta-o.

R: